RENASCIMENTO

Ambiente do Renascimento

Ambientes

Características Gerais

Características desta Filosofia

1. Humanismo

2. Platonismo

3. Aristotelismo

4. Nicolau de Cusa

5. Filosofia da Natureza - Giordano Bruno

6. Renascimento Ibérico

7. Filosofia Social

Maquiavel - "O Príncipe"

Tomás More - "Utopia"

Erasmo - "Elogia da Loucura"

8. Nova ciência

F. Bacon

G. Galilei

 

AMBIENTE DO RENASCIMENTO

 

Passagem da Filosofia medieval

O séc XIII foi a época áurea do pensamento medieval, com autores grandes como São Tomás e Escoto. O séc XIV foi o século das grandes escolas desses autores. O Tomismo, e o Escotismo. Ambas estas escolas estavam inspiradas e vinham da Via Antiga. Em oposição à Via Antiga, que conciliava a Filosofia e a Teologia, veio a Via Nova, introduzida por Guilherme de Occam, teólogo do séc. XIV, que originou a ruptura entre a Filosofia e a Teologia. Os seguidores de Guilherme de Occam são chamados de Nominalistas e são preponderantemente filósofos. A crítica da Teologia e Filosofia desproveu a fé do seu apoio Filosófico, daí uma laicização crescente da Filosofia. Nicolau de Cusa, procura voltar à Via Antiga. Hegel, não admite nada mais elevado do que a Razão, que considera o tribunal máximo.

O termo Renascimento foi usado pela primeira vez por Jorge Vasári. Utilizado num sentido de arte naturalista. Foi Voltaire e o movimento ligado à Enciclopedia que levou a que o termo fosse desde então utilizado. O interesse cada vez maior na natureza, pautado pela antiguidade pagã, leva a que se volte de novo à civilização clássica, saltando sobre a Idade Média. Há uma procura das origens.

No Renascimento há maior espírito de liberdade que leva a um maior individualismo. Os descobrimentos contribuíram para um alargamento de vistas; descoberta de novas terras, animais, plantas...

A Imprensa teve a maior divulgação. A literatura baseada na autoridade da escolástica que salientava muito o "disse este que disse, que disse ..." levando a "boatos" de tradução. Há maior observação das coisas e por isso a teoria começa a deixar mais lugar à prática. É a escolástica e sua literatura que acaba por ser colocada em segundo plano.

Há pouca preocupação em viver com o "além", com o divino, o sobrenatural.

Surgem tendências materialistas. Não há uma procura de fé nem a sua justificação pela razão. O pensamento filosófico tem as seguintes repercussões:

- Acentuado anti-escolasticismo (a escolástica é chamada de bárbara)

- Renascimento, ressurgimento de tendências filosóficas

- A Filosofia é individual, não é da escola ou da Universidade.

Surgem as academias, mais liberais que a escola ou Universidade.

- Naturalismo. Filosofia puramente terrena. Directamente ligada às ciências pela Via Nova. Nova ciência (Bacon e Galileu), mais prática.

 

A grande crítica não era feita aos autores da escolástica, mas à Retórica, à argumentação ... "Aristóteles disse!" ... por isso não se duvida.

Volta-se ao Aristóteles, à fonte, e não a traduções ou vias orais dos Árabes e Gregos.

A Via Nova é aquela que é tida como importante.

 

HUMANISMO

 

Características:

- Importância cada vez maior do Homem. Literatura e espírito antigo da Época Clássica.

- Voltam a ser traduzidos os autores Gregos para o Latim clássico. A escolástica utilizava um latim popular, rude, bárbaro.

- Ressurgimento da filosofia antiga. N Itália aparece primeiro o Estoicismo e depois o Platonismo e Aristotelismo.

- Surge o interesse literário e filosófico em Francisco Petrarca "A felicidade está no regresso à tranquilidade".

Leonardo Bruni chama à retórica e escolástica de bárbaras.

Lorenzo del Vale, ataca o método escolástico e retórico. Pretende substituir a lógica Aristotélica por outra que não tenha retórica.

No centro da Europa, o Humanismo tem um carácter moral. Reforma da Igreja Católica provocada por Lutero "discípulo" de Erasmo de Roterdão (Desidério Erasmo, nascido em Roterdão).

De Erasmo parte a ideia da reforma da Igreja. Voltar às fontes do cristianismo. Os dois grandes pilares em que ele se baseava eram a Bíblia e os Santos padres da Igreja (os primeiros padres da Igreja). O rumo que este renovamento tomou foi outro que Erasmo não pretendia. para Erasmo, a reforma dar-se-ía dentro da própria Igreja (ele manteve-se na Igreja). Calvino, Lutero e Zúnglio começam a afastar-se da Igreja e são afastados.

Nomes ligados a esta época são

Teologia - Calvino - Desejo de reforma da Igreja em França

Direito - Jean Boudain - Direito Internacional.

Filosofia - Tiago Fabro; Pierre de la Ramer

 

PLATONISMO

Há antagonismo entre Platão (filósofo religioso) e Aristóteles (filósofo da natureza). Procurou-se ir às fontes a partir do seu carácter religioso

Academia Platónica de França, fundade por Fichino.

Fichino (e Plutino)- A religião e a filosofia podem unir-se ou são conciliáveis na doutrina católica, mas não são orientadas para Deus mas para o Homem. O Homem passa a ser o centro. União das várias religiões.

Pico della Mirandola - Preconiza uma unificação geral de todo o saber. Um percursor de Bacon, Leibniz, Russel. Defende que Deus na sua essência infinita é para nós incompreensível. Deus é inacessível. Influencia Nicolau de Cusa na obra - "O Deus escondido".

 

ARISTOTELISMO

Pretende-se interpretar o Aristóteles genuíno. Coloca-se de lado a escolástica.

Esta corrente (Aristotelismo) foi trazida pelos gregos que vieram ao concílio de Florença.

Jorge Escolarius defende o Aristotelismo. Aparecem duas correntes no Aristotelismo, a de Alexandria e a Verrista em Pádua (de Verróids)

Admitem a ordem necessária do mundo; negam o milagre por ser uma alteração dessa ordem. A ciência deverá descobrir essa ordem. As mesmas causas nas mesmas circunstâncias produzem os mesmos efeitos. Determinismo.

Distinguem verdades de razão e de fé. Criam uma ciência autónoma. A Aristóteles vão buscar o método. Um dos aspectos principais do pensamento moderno é a metodologia.

 

 

 RENASCIMENTO

Autores de origem portuguesa e espanhola - Renascimento Escolástico e um Renascimento Extra-Escolástico (este desenvolve-se fora da Península Ibérica)

Características do Renascimento

A Escolástica encontrou na Península Ibérica um solo fértil.

Motivos:

- interesse pelos descobrimentos

- papel da Inquisição

 

Autores da Península Ibérica:

- Luís Vives (1492-1540) - Valença

- Leão Hebreu (1455- ) - Lisboa- Francisco Sanchez (1551-l623) Braga

 

Período de florescimento que originou um movimento mais escolástico, este

movimento originou-se à volta das universidade da Península Ibérica, Ordens e dirigidas:

- em Salamanca - Dominicanos- em Coimbra Jesuítas

- em Alcatá - Carmelitas descalços

Salamanca - Francisco Vitória (1480-1546). Relações entre a Igreja e o Estado. A novidade da época é o direito colonial, direito dos índios em relação aos espanhóis.

 

Coimbra - Pedro Fonseca (1528-1599) - Aristóteles conimbricense

Instituições dialécticas (obra)

comentários dos hinos de metafísica de Aristóteles (obra principal)

Importância de Pedro da Fonseca

Debruçou-se sobre o texto de Aristóteles (texto grego) e traduziu-o para latim e comentou-o, sua importância fez-se notar entre os filósofos não escolásticos em toda a Península.

 

Alcatá - Francisco Soares (1548-1617)

Foi sobretudo um teólogo, por base fundamentar a teologia

Obras - Questões Metafísicas (1597)

Acerca das leis.

Distinção sistemática entre Filosofia e Teologia

 

 

CONCLUSÃO

 

- Interesse da Filosofia mais no seu conjunto do que em cada um dos pensadores.

- Género poético, intuitivo, emocional, não há um desenvolvimento sistemático das ideias.

- Não encontramos grandes sínteses filosóficas, estamos num período de transição que implica destruir para construir de novo.- Autores mais preocupados em destruir (criticar) do que construir...

- Mistura muito grande de elementos no renascimento, há uma certa contestação na mistura dos elementos.

 

O problema do método abre a Filosofia Moderna

 

- A Filosofia do Renascimento é aquela que está de acordo com o país onde se desenvolveu. É para alguns autores um período de transição

- Período da Filosofia Moderna - séc. XVIII - XIX

Racionalismo

Empirismo(mais tarde)

Idealismo (Kant) .ciência plenamente fundamentada